Livros & Companhia: sessão 1, com João Rui (A Jigsaw)

Livros & Companhia é uma sessão sobre livros que tem lugar no Salão Brazil, uma vez por mês, na qual converso com um convidado.

Na sessão 1, a 11 de fevereiro de 2017, o convidado foi João Rui, compositor e vocalista da banda A Jigsaw. João Rui escolheu, para a sessão, o livro Burning Bright, de um dos seus heróis literários, John Steinbeck. No meu caso, escolhi o livro de David Nolan, I Swear I Was There, sobre os dois lendários concertos dos Sex Pistols no Lesser Free Trade Hall, de Manchester, em 1976, que cruzei com as memórias do renegado Mark E. Smith, dos The Fall, ou as de Morrissey, e ainda a autobiografia de Miles Davis. Para a secção de “Livros Raros e Usados”, uma secção fixa das sessões, reservei As Dioptrias de Elisa, de António Gancho.

Uma boa surpresa chegou alguns dias depois, na forma de uma reação escrita à sessão, por Vitalino José Santos. Para ele e para todos os presentes, muito obrigado. [Na foto, os dois participantes compenetram-se da gravidade do momento, antes do início da sessão. A foto é de Raquel Gonçalves.]

Hoje ocorre a sessão 4, a concorrência é de peso mas o convidado vale a pena, pois José Maria Vieira Mendes é seguramente o maior dramaturgo da sua geração em Portugal (pelo menos).


A distribuição matutina

do pão, do leite, dos jornais e dos princípios universais podia ser o programa deste blog. E que melhor programa? O mundo, porém, desregulou-se a um ponto tal que já ninguém usa a antemanhã para comprar pão, leite ou jornais. E os empregos que essa distribuição criou foram entretanto laminados pelo progresso, essa bela besta. Ou estão a sê-lo, como no caso dos jornais. Restam os princípios universais. Mas será que restam?

Num poema famoso, «Elegia 1938» (de Sentimento do Mundo, 1940), Carlos Drummond de Andrade fala antes de gestos universais: «Trabalhas sem alegria para um mundo caduco, / onde as formas e as ações não encerram nenhum exemplo. / Praticas laboriosamente os gestos universais, / sentes calor e frio, falta de dinheiro, fome e desejo sexual». Os gestos universais, com os quais se edifica laboriosamente a ordem social que contudo não nos livra da carência ou, pior ainda, da natureza que também somos, são em rigor prévios aos princípios universais. A verdade, porém, é que a relação entre gestos e princípios não parece ser sequer necessária: tal como o gesto matutino de comprar o jornal, que se harmonizaria com o jornal enquanto «princípio universal», não garante de facto a transição de gestos a princípios (abundam, de resto, os jornais que são bons exemplos de maus universais). É talvez porque o princípio não está garantido que Drummond parece concluir o poema pelo gesto. No caso, um gesto de aceitação não-resignada: «Aceitas a chuva, a guerra, o desemprego e a injusta distribuição / porque não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan». Continue reading